Agora Notícia - seu Portal de Informação 24 horas

Pedófilo preso no DF filmava abusos contra meninas de 11 e 12 anos

Criminoso pagava até R$ 5 mil por cada programa com as menores. Ele vivia em uma luxuosa suíte em um hotel às margens do Lago Para

pedófilo preso pela Polícia Civil do Distrito Federal, no sábado (08/06/2019), filmava os abusos sexuais cometidos contra meninas de 11 e 12 anos. Durante o cumprimento do mandado de busca na luxuosa suíte em que morava Wolfika Sol Sol Leles, 50 anos, no Royal Tulip, os investigadores da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) apreenderam um celular com vários vídeos dos estupros cometidos por ele.

Outros dispositivos de armazenamento de imagens, como tablets e pen drives, também serão periciados.

Como foi revelado nesta segunda-feira (10/06/2019), o criminoso dava dinheiro para uma adolescente de 15 anos, que tinha função de agenciar garotas do seu círculo social, em Ceilândia, para o estuprador. Ele exigia que elas não tivessem mais do que 12 anos e pesassem entre 33 e 39 quilos. Apesar do nome incomum, a PCDF confirmou que Wolfika Sol Sol é brasileiro.

O homem, que se apresentava como empresário e operador do mercado financeiro, foi preso preventivamente quando deixava um motel, em Ceilândia, com duas adolescentes dentro do carro.

Segundo a polícia, Leles oferecia entre R$ 1,5 mil e R$ 5 mil por cada programa com as menores. De acordo com a investigação, quanto mais nova, mais cara custava a relação. A fim de evitar olhares curiosos, o suspeito sempre marcava os encontros no meio da semana, entre 17h e 18h, intercalando três motéis em Ceilândia.

A outra menina que estava no veículo com o suspeito tinha 14 anos e havia sido agenciada e apresentada a Leles como se tivesse 12. De estatura baixa e muito esguia, o pedófilo acreditou que ela, de fato, teria a idade mencionada. Na delegacia, a menor apontada como organizadora dos encontros sexuais do acusado prestou depoimento e admitiu participação no esquema de prostituição. Por ter idade inferior a 18 anos, foi ouvida na qualidade de vítima.

Os investigadores da DPCA seguiam os passos do criminoso há uma semana. No decorrer das diligências, descobriram que o pedófilo morava com a esposa em uma suíte sofisticada no Hotel Royal Tulip, às margens do Lago Paranoá. Ele era conhecido pelos funcionários por dar generosas gorjetas: algumas de até R$ 1 mil. O suspeito estava hospedado em um dos quartos mais caros do estabelecimento.

Durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão no quarto de Leles, os agentes encontraram joias e aproximadamente 200 notas de 100 dólares, aparentemente falsas, de acordo com as primeiras análises. No aposento, localizaram também algumas bolsas de luxo. A polícia, agora, quer saber desde quando o abusador vivia no hotel e quantas vítimas pode ter feito.

O pedófilo gostava de ostentar nas redes sociais e fazia questão de transparecer uma vida de luxo. Nas postagens, sempre mostrava uma rotina sofisticada: jantares em restaurantes finos, viagens a locais paradisíacos, entre outros. O acusado também dirigia carros e motocicletas luxuosos, sempre alugados em nome de terceiros, pois responde a processos criminais em outros estados e poderia ser identificado.

Rastro de crimes

Wolfika Leles é suspeito de aplicar golpes em pelo menos sete unidades da Federação: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Bahia e, mais recentemente, Roraima. Por meio de empresas de fachada ou em nome de laranjas, o grupo comandado pelo pedófilo oferecia propostas vantajosas para investidores no mercado financeiro, mas pediam que os clientes dessem uma entrada em dinheiro.

De acordo com investigações do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) — estado onde parte da quadrilha foi presa —, ainda em 2010, vítimas chegaram a repassar entre R$ 30 mil e R$ 188 mil aos falsários com a promessa de ver o dinheiro aplicado render. Com a prisão de Leles, a Polícia Civil do DF informou que notificará os demais estados sobre a detenção do estelionatário. A intenção é saber se ele cometeu delitos semelhantes em outras cidades país afora.

 O acusado responde pelos crimes de formação de quadrilha, estelionato, falsificação de documentos e lavagem de dinheiro. Agora, preso preventivamente, também deve ser indiciado por estupro de vulnerável e corrupção de menor.
 

Fonte

Metrópoles
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Pedófilo preso no DF filmava abusos contra meninas de 11 e 12 anos

Metrópoles

pedófilo preso pela Polícia Civil do Distrito Federal, no sábado (08/06/2019), filmava os abusos sexuais cometidos contra meninas de 11 e 12 anos. Durante o cumprimento do mandado de busca na luxuosa suíte em que morava Wolfika Sol Sol Leles, 50 anos, no Royal Tulip, os investigadores da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) apreenderam um celular com vários vídeos dos estupros cometidos por ele.

Outros dispositivos de armazenamento de imagens, como tablets e pen drives, também serão periciados.

Como foi revelado nesta segunda-feira (10/06/2019), o criminoso dava dinheiro para uma adolescente de 15 anos, que tinha função de agenciar garotas do seu círculo social, em Ceilândia, para o estuprador. Ele exigia que elas não tivessem mais do que 12 anos e pesassem entre 33 e 39 quilos. Apesar do nome incomum, a PCDF confirmou que Wolfika Sol Sol é brasileiro.

O homem, que se apresentava como empresário e operador do mercado financeiro, foi preso preventivamente quando deixava um motel, em Ceilândia, com duas adolescentes dentro do carro.

Segundo a polícia, Leles oferecia entre R$ 1,5 mil e R$ 5 mil por cada programa com as menores. De acordo com a investigação, quanto mais nova, mais cara custava a relação. A fim de evitar olhares curiosos, o suspeito sempre marcava os encontros no meio da semana, entre 17h e 18h, intercalando três motéis em Ceilândia.

A outra menina que estava no veículo com o suspeito tinha 14 anos e havia sido agenciada e apresentada a Leles como se tivesse 12. De estatura baixa e muito esguia, o pedófilo acreditou que ela, de fato, teria a idade mencionada. Na delegacia, a menor apontada como organizadora dos encontros sexuais do acusado prestou depoimento e admitiu participação no esquema de prostituição. Por ter idade inferior a 18 anos, foi ouvida na qualidade de vítima.

Os investigadores da DPCA seguiam os passos do criminoso há uma semana. No decorrer das diligências, descobriram que o pedófilo morava com a esposa em uma suíte sofisticada no Hotel Royal Tulip, às margens do Lago Paranoá. Ele era conhecido pelos funcionários por dar generosas gorjetas: algumas de até R$ 1 mil. O suspeito estava hospedado em um dos quartos mais caros do estabelecimento.

Durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão no quarto de Leles, os agentes encontraram joias e aproximadamente 200 notas de 100 dólares, aparentemente falsas, de acordo com as primeiras análises. No aposento, localizaram também algumas bolsas de luxo. A polícia, agora, quer saber desde quando o abusador vivia no hotel e quantas vítimas pode ter feito.

O pedófilo gostava de ostentar nas redes sociais e fazia questão de transparecer uma vida de luxo. Nas postagens, sempre mostrava uma rotina sofisticada: jantares em restaurantes finos, viagens a locais paradisíacos, entre outros. O acusado também dirigia carros e motocicletas luxuosos, sempre alugados em nome de terceiros, pois responde a processos criminais em outros estados e poderia ser identificado.

Rastro de crimes

Wolfika Leles é suspeito de aplicar golpes em pelo menos sete unidades da Federação: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Bahia e, mais recentemente, Roraima. Por meio de empresas de fachada ou em nome de laranjas, o grupo comandado pelo pedófilo oferecia propostas vantajosas para investidores no mercado financeiro, mas pediam que os clientes dessem uma entrada em dinheiro.

De acordo com investigações do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) — estado onde parte da quadrilha foi presa —, ainda em 2010, vítimas chegaram a repassar entre R$ 30 mil e R$ 188 mil aos falsários com a promessa de ver o dinheiro aplicado render. Com a prisão de Leles, a Polícia Civil do DF informou que notificará os demais estados sobre a detenção do estelionatário. A intenção é saber se ele cometeu delitos semelhantes em outras cidades país afora.

 O acusado responde pelos crimes de formação de quadrilha, estelionato, falsificação de documentos e lavagem de dinheiro. Agora, preso preventivamente, também deve ser indiciado por estupro de vulnerável e corrupção de menor.